Mesmo em números de Beleza contam

Frequentemente, com colegas e operadores do mundo da beleza, tenho a oportunidade de discutir previsões de mercado para o sector e novas tendências. No entanto, surpreende-me a frequência com que a investigação estatística – que oferece conhecimentos inestimáveis para aqueles que trabalham neste sector – é totalmente ignorada a favor de argumentos que não são objectivamente substanciados. Ao contrário do que se pensa, por detrás de números e gráficos aparentemente aborrecidos encontram-se soluções e sugestões úteis para dirigir o próprio negócio.

A produção mundial de cosméticos está estimada em mais de 400 mil milhões de dólares. Do ponto de vista económico, a indústria nacional está entre as dez primeiras do mundo e ocupa a posição de quarto produtor europeu – e nono no mundo – com um volume de negócios superior a 12 mil milhões de euros, precedido na Europa pela Alemanha, França e Reino Unido, com uma exportação de quase 5 mil milhões de euros registada antes da pandemia (dados da Cosmetica Italia).

A indústria cosmética feita em Itália sempre foi uma força motriz para a economia do país. Infelizmente, esta pandemia provocou uma súbita mudança na estrutura económica da produção mundial. Com previsões de uma queda nas receitas entre 30 e 40%, este cenário de imprevisibilidade forçou-nos a um estado de emergência, com medidas e acções extraordinárias para lidar com qualquer cenário que possa voltar a ocorrer. No entanto, em geral, a resistência histórica às fases de recessão, a forte “consciência de marca” desfrutada pelos nossos produtos e a boa solidez patrimonial das empresas que poderiam compensar a queda no volume de negócios estão a jogar a favor da Beleza.

Novos hábitos de consumo estão a surgir em todo o mundo: 60% dos consumidores passam mais tempo a cuidar de si próprios, 57% iniciaram a formação em casa, 50% compram com mais cuidado e 45% fazem escolhas mais sustentáveis (dados Accenture).

Sempre tive a paixão de investigar dados económicos para compreender melhor o desempenho do mercado da Beleza, um sector sempre verde que oferece muitas oportunidades de emprego mesmo para os jovens, se apenas o conhecimento de dados objectivos lhes fosse oferecido. Refiro-me também às escolas onde, de facto, encontrei com grande embaraço uma certa superficialidade no que respeita ao estudo e investigação deste tópico científico.

A população mundial ultrapassou os 7,8 mil milhões de habitantes. Desde o nascimento e ao longo da vida, cada indivíduo possui impulsos naturais para os mais diversos rituais de Beleza. É por isso que insisto na longevidade das profissões de Beleza. Estes impulsos são atávicos e mesmo salvíficos nos momentos históricos mais difíceis. Há muitos exemplos no decurso da história que evocam o poder resiliente dos cosméticos. Pense por exemplo no indicador estatístico “Lipstick Index” cunhado por Leonard Lauder, presidente da Estèe Lauder, quando como resultado de uma crise económica causada pelo rebentamento da famosa “bolha da Internet” aumentou as vendas de batons em 11%.

As propostas de mercado que derivam do impulso de procura de Bem-Estar e Beleza dizem respeito principalmente a três categorias principais: o universo feminino; o mundo masculino; o universo dos idosos e das crianças.

É aqui que conta o impacto da tomada de decisões. Se um indivíduo pertence a um grupo etário entre 16 e 75 anos, podemos dizer que ele ou ela tem uma certa disponibilidade económica que vai desde dinheiro de bolso a um rendimento real. Ele possui capacidade económica e cognitiva, portanto independência. Por outro lado, se pertence a um grupo etário inferior a 16 ou superior a 75 anos, “consome” Beleza em qualquer caso, mas muitas vezes não decide directamente, pelo que está sujeito a uma compulsão ou dependência induzida.

O impacto decisório é diferente, mas todos consomem cosméticos desde o nascimento e ao longo da vida: independentemente, porque se tem a capacidade cognitiva e económica para o fazer; induzidos ou dependentes no universo da criança e muitas vezes dos idosos.

Neste cenário de “consumo” de Beleza, cerca de 76% é absorvido pelo universo feminino, os restantes 24% pelo universo masculino. Do “consumo” total de Beleza, 80% dos serviços, produtos e ferramentas são adquiridos por mulheres independentemente, 19% por casais e 1% por homens solteiros.

Aqui observamos como o consumo de Beleza envolve em diferentes percentagens o universo masculino e feminino.

No nosso país em 2019 os cosméticos cresceram e para 2020, apesar do crescimento do PIB, antes da pandemia foi estimado um aumento semelhante. O desempenho tem sido sempre impulsionado pelas exportações, que em termos de balança comercial no nosso país estão em terceiro lugar depois do vestuário e do vinho. Hoje, no meu grupo, o investimento em Investigação e Inovação subiu para 10% do volume de negócios anual.

A cosmética humanista engloba o mais nobre conceito de Beleza, que fala de inovação, sustentabilidade e ética numa nova visão antropológico-relacional. Os “números” da Beleza servem para fazer compreender que é uma economia próspera e volumosa com um enorme potencial para explorar e cultivar. Siga a Beleza e ela tornar-se-á a sua vocação, leia os números e saberá como melhorar a sua profissão e o seu negócio.

Remover-se actualizado sobre os próximos artigos e iniciativas

    Política de Privacidade
    Ao submeter este pedido, declaro que li a Política de privacidade deste site e concordo com o processamento dos meus dados pessoais para a gestão deste pedido.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.