LEVANTEM-SE, CAVALHEIROS, EM FRENTE DE UMA MULHER.

Em 25 de Novembro de 1999, a ONU estabeleceu o “Dia Internacional contra a Violência contra a Mulher” para comemorar a história das três irmãs Mirabel, militantes dominicanas que foram barbaramente mortas em 25 de Novembro de 1960 pelos agentes do ditador Trujillo a caminho da prisão para visitarem os seus maridos. Pela coragem de se opor à ditadura e lutar pelos direitos pagando com as suas vidas, inspiraram escritores e realizadores a entrarem para a história sob o nome de Las Mariposas (As Borboletas).

Apesar das numerosas iniciativas e campanhas de sensibilização para a violência contra as mulheres, este triste fenómeno continua a reclamar vítimas, especialmente em casa, onde as piores crueldades não são desconhecidas, mas sim namorados, maridos e coabitantes. Esta crónica trágica não parou nem mesmo nos últimos meses; pelo contrário, durante o encerramento, muitas mulheres, devido às restrições à sua liberdade impostas pelas restritivas portarias Covid, viram-se ainda mais isoladas e à mercê de coabitantes violentos.

Encontrarem-se na casa do seu perseguidor, porém, é inevitável para muitas mulheres, também devido à falta de autonomia económica.

Infelizmente, em Itália, os cargos ocupados por mulheres em ambientes de trabalho como os negócios são ainda muito baixos. Para o mesmo trabalho, o salário é muito inferior ao de um colega masculino.

Por isso, talvez tenhamos de começar a pensar em lutar a partir daqui. A começar pela forma como concebemos as mulheres todos os dias. A começar pela cultura.

Os livros são “ferramentas” que guiam a educação sentimental das pessoas e as guiam na transição dos impulsos para a capacidade de saber através dos seus próprios sentimentos. A igualdade de género já deve ser ensinada às crianças no jardim-de-infância.

Hoje sinto-me próximo de todas as mulheres.

A violência baseada no género é a explosão de um sintoma social de desigualdade e a vontade de prevalecer. É uma dinâmica de posse que não tem nada a ver com amor, mas sim com ódio.

Quero dedicar a todas as Mulheres estas maravilhosas palavras de William Shakespeare para acariciar a alma de cada mulher maltratada, usada, humilhada por aqueles que as deveriam ter amado e protegido, porque acredito que a palavra é a primeira arma a contar, a denunciar e a recomeçar a viver.

 

Por toda a violência consumida sobre ela,

por toda a humilhação que sofreu,

pelo seu corpo que explorou,

pela sua inteligência que espezinhou,

pela ignorância em que a deixou,

pela liberdade que lhe negou,

para a boca que a tapou,

para as asas que lhe cortou,

por tudo isto:

Levantem-se, cavalheiros, perante uma mulher.

 

E não só isso, curvar-se cada vez que olha para a sua alma,

porque se pode vê-lo,

porque ela pode fazer-te cantar.

De pé, cavalheiros, cada vez que ela acaricia a vossa mão,

cada vez que seca as suas lágrimas como se fossem seus filhos,

e quando ela está à sua espera, mesmo que queira correr.

De pé, sempre de pé, meus senhores,

quando entra na sala e brinca ao amor

e quando esconde de si a dor e a solidão

e a terrível necessidade de ser amado.

Não tente estender a mão para a ajudar quando ela desmaiar sob o peso do mundo

 

Ele não precisa da sua piedade.

 

Ela precisa que se sente no chão ao seu lado.

e esperar que o coração acalme o seu ritmo, que o medo se vá embora,

para que o mundo inteiro volte ao bom caminho.

E será sempre o primeiro a levantar-se primeiro.

e de segurar a mão para o puxar para cima para que se possa aproximar do céu,

naquele alto céu onde vive a sua alma

e de onde,

Cavalheiros,

nunca o rasgará

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.